18.2.10

estupor









estorva_me perturba_me estropia_me estupor de um raio!



















ela me acena com as sobrancelhas e volta a abaixar a cabeça, os cabelos cobrindo_lhe o rosto, entretida com umas fotos que folheia e organiza em pequenas pilhas. prepararam meu lugar de frente para ela, um pouco distante, e nas fotos que ela me passa sem me olhar não há pessoas, somente parques, ruas, alguma neve, paisagens repetidas que despacho em meio minuto. devem ser fotos do início da viagem, quando ela estava sozinha e emocionalmente abalada; embora tenha curso de fotografia, seus enquadramentos estão irregulares, a luz insuficiente ou estourada, como se ela quisesse liquidar depressa o filme. nas fotos que empilha fora do meu alcance, imagino que já apareça com a pele fresca, talvez abrindo os braços numa ponte, tendo ensinado um desconhecido a manejar a máquina. e nas fotos mais recentes, que coloca de pé atrás do bule de leite, acho que entram os amigos que ela sempre vai fazendo, e os amigos dos amigos, e os artistas, e as autoridades, e as luzes do barco no jantar de despedida.







o estorvo de chico buarque pág. 15









































estorvo estorvar exturbare distúrbio perturbação torvação turva torvelinho turbulência turbilhão trovão trouble trápola atropelo tropel torpor estupor estropiar estrupício estrovenga estorvo































não me sais da cabeça és um estorvo que tenho de aturar não me sais da cabeça passar o tempo a estorvar_me não me sais da cabeça e nem tentas perturbar_me que raiva não me sais da cabeça turva tapada infectada raios te partam não me sais da cabeça trápola não me sais da cabeça atropelas_me a vontade não me sais da cabeça estupor maldito de apagar não me sais da cabeça estrupício estrovenga pára!sabor amargo em saber que nada há. estorva_me perturba_me estropia_me estupor de um raio.











fotografias de kuba mazi e wojtek niedzielko

7 comentários:

Luis Eme disse...

espantas-me, Ivone...

com todos esses adjectivos.

(gostei muito do poema...)

oldmirror disse...

Senti um quase sangue saudável.

nils disse...

Sim. Sempre sanguínea. Como se pode empatar tanto a vida de alguém e ainda assim ganhar-lhe.

Moon_T disse...

aqui está algo que gostaria de ver declamado.

é notória a "decadencia mental" inscrita nestes teus ultimos posts. lamento sabe-lo, independentemente de que é nessas alturas que a caneta mais rasga o papel, bem conheco a demencia... lamento.


se precisares de algo podes sempre deixar recado no canto deste desconhecdido.
e mais não digo.

~pi disse...

e no ve l a ção -

- atro pel a ção

- a c ção ( cem





~

UIFPW08 disse...

Brava Yvonne sei davvero molto brava complimenti
Maurizio

pin gente disse...

e a cabeça não pára...