4.2.09

estupor de um raio!




esta página contém itens seguros assim como itens que não são seguros.
deseja ver os itens não seguros?
_ estupor de um raio!















_ nunca mais nos vamos amar. nunca mais nos podemos ver.
_ eu sei _ diz ele.
a noite da insistência dela na separação.
ela sentou_se enclausurada em si mesma.
_ nunca mais. aconteça o que acontecer.
_ sim.
_ acho que ele vai enlouquecer. percebes?
ele não diz nada desistindo da tentativa de a puxar para dentro de si.

uma hora depois saem do quarto mergulhando na atmosfera seca da noite. ouvem ao longe o gramofone do cinema "music for all" de janelas abertas por causa do calor. terão de se separar antes que o cinema feche pois poderão de lá sair conhecidos dela.


sente que se lhe esvaíram todos os fluidos do corpo sente_se cheio de fumo. a única coisa viva é a consciência do desejo e da ausência que o futuro lhe reserva. aquilo que gostaria de dizer não o pode dizer a esta mulher aberta como uma ferida ainda imortal na sua juventude. não pode alterar o que mais ama nela a sua aversão ao compromisso onde o romantismo dos poemas que ela tanto ama ainda se enquadra naturalmente no mundo real.


agora não há beijos. um abraço apenas. ele desprende_se dela e afasta_se. depois vira_se para trás. ela continua no mesmo sítio. ele retrocede e pára a poucos metros dela dedo em riste a sublinhar a frase.

_ só quero que saibas uma coisa. ainda não tenho saudades tuas.
_ hás_de tê_las _ diz ela.







a partir deste ponto das nossas vidas segredara_lhe ela horas antes ou encontramos ou perdemos as nossas almas.

















michael ondaatje em o paciente inglês pág. 113 3 114























ainda me vou rir do que se vai passar ou talvez não agora que me atiraste para os bastidores sem dó nem piedade julgando_me assim atiçada aos cães porque não nem esses me tratam como tu me tens tratado. abaixo de cão. é que não sou feita de pedra. tenho todas as entranhas alvoraçadas por tamanha indisposição. agonia_me saber assim e o vómito esse é natural. mas tudo com respeito meu caro. um imenso respeito pois claro. nada como respeitar. mas que respeito caramba!? trata_se aqui de respeitar o quê afinal? respeitar a tua presença na primeira fila aplaudindo a minha indigesta performance? é que neste acto eu não sou a figura principal. o principal és tu. portanto se alguém aqui tem vontade de se vomitar não serei eu apesar de atirada para segundo plano aqui a secundária faz parte de uma história de alguns anos e por esse motivo tenho direito ao meu papel no guião. estupor de um raio! até aqui nada de mais se não se tratasse de uma pequena grande história. deixo que abras as cortinas e assistas porque sei que desejas tanto ver_me actuar. mas este palco não me pertence nunca o pisei nunca o quis subir nunca entrei nunca. sabes? é que não gosto de luzes nem de público nem de aplausos. o meu género é mais assim digamos a dar para o discreto. uma personagem que quando se assume passa sorrateiramente sem quase deixar rasto. por vezes nem faz parte do guião. aparece sem se saber muito bem porquê nem quem é mas que faz falta na história quanto mais não seja para virar tudo do avesso e deixar todos à nora. é. é o meu género meu caro. estupor de um raio! queres que dance? não danço. queres que cante? não canto. queres que te ame? não. deixa_me em paz. aplaudes? estupor de um raio!














só porque ando um pouco cansada de falar tanto em desamor. que é isso?














fotografias de cal calkins

10 comentários:

observatory disse...

li tudo até ao fim.

tudinho

Miguel Barroso disse...

Ora eis um blog que me surpreendeu!
em boa hora.


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

pin gente disse...

o desamor existe
crú
duro
seco
feio
e mau


um beijo, ivone

ivone disse...

observatory
lindo menino.
assim é que é. tudinho.

Isabel disse...

mas eu entro sempre sempre sempre sempre.


raios.


de maravilha!


.



prontuX.




.piano.

vaandando disse...

...discrição impossível numa história a dois_______ desafio !
abraço
_________ JRMARTO

vaandando disse...

...volto ainda para deixar o meu apreço pelas fotografias !
abraço ____________ JrMarto

maria josé quintela disse...

eu desejo sempre ver os itens não seguros.


e também li tudo.

(e não. não és feita de pedra.)




e trago-te um recado urgente: espreita o pin-gente.blogspot.com




um abraço ivone.

UIFPW08 disse...

linda

ivone disse...

miguel barroso
boa hora em lisboa
certo?


luísa
fizeste_me lembrar os feios porcos e maus
viste o filme?

isabel
prontuX
e agora?

vaandando
as fotografias falam por elas. cada um que leia o que quiser. é como na pintura. falta é cor nesta história. a ver vamos...


maria josé
obrigada pelo recado. aquela pin gente é impagável. um must! e linda menina sim. leu tudinho.


08
claro que sou linda.