25.1.10

pareço louca

















a noite deixou-me outra vez transtornada
lentamente a manhã se enche
de palavras que eu sei de certeza
que significavam alguma coisa, mas o quê?
que ontem significavam alguma coisa.
andar é balançar sobre os pés,
vejo na rua os seres de sangue quente
que tiveram também a inexplicável coragem
de se levantarem
em vez de ficarem deitados.
nunca ninguém tem a certeza de nada,
de ser amado, de ser abandonado
tudo é possível e tudo é permitido
tudo sucede em alternância.
agora me lembro o que queria dizer:
enquanto isso não trouxer infelicidade
é uma sensação agradável. mas no fundo
somos doces como turkish delight
numa lata cheia de pregos.








coragem de judith hergberg


























quem me dera ter certezas do que ainda não sei nem nunca ouvi mas que todos os dias se repete em conversa de telefone por entre palavras ditas e reditas repetitivamente os bons dias que me assombram na esperança de me levantar e encontrar alguma coisa diferente mudar no entanto essas certezas seria tarefa bem mais complicada do que possa parecer pois então e muito provavelmente ficaria mais à deriva ainda mais do que aquela em que já me encontro no presente mas deriva por deriva chega_me então este pequeno labirinto de onde parto todas as manhãs e de que quando chega a noite sei de certeza o que me vai novamente acontecer no dia seguinte igual ao dia antes e sei de certeza o que me vais dizer mais uma vez sem ser a última ou então do que nunca diremos porque nos deixamos por dizer uma vez mais ou do que adiamos sempre na certeza porém de que no dia seguinte logo de manhã bem cedo nos voltaremos a falar novamente














pareço louca










fotografias de tania koleva

6 comentários:

nils disse...

Ou todos temos a incerteza de tudo... Lindo o poema e mais uma vez a calar fundo na alma o teu texto. Pode ser por tu, não pode?, também nós já nos desconhecemos bem.

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Sarava!

Essas noites... essas malucas!

Eu também pareço. Tem dias!

beijo

oldmirror disse...

Só a loucura nos mantém sãos

Carlos Pires disse...

Demasiada Loucura é o Mais Divino Juízo

Demasiada Loucura é o mais divino Juízo -
Para um Olhar criterioso -
Demasiado Juízo - a mais severa Loucura -
É a Maioria que
Nisto, como em Tudo, prevalece -
Consente - e és são -
Objecta - és perigoso de imediato -
E acorrentado -

Emily Dickinson, in "Poemas e Cartas"
Tradução de Nuno Júdice

observatory disse...

bjº
doce bandida

ivone disse...

nils
também já nos desconhecemos muito bem sim. pode ser por tu.


tu lias?
noites brancas sim frias da cor do nada

oldmirror
eu sã
tu sãs
eles não são


carlos pires
e júdice traduz tão bem!


observatory
estás vivo pá!