27.8.08

há um purgatório de silenciar em amar





e em cada gemido há um purgatório de silêncio presente






















Asas servem para voar
para sonhar ou para planar
Visitar espreitar espiar
Mil casas do ar

As asas nao se vão cortar
Asas são para combater
Num lugar infinito
para respirar o ar


As asas são para proteger te pintar
Não te esquecer
Visitar espreitar-te
bem alto do ar

São quando quiseres
A um amor que vês nascer
sem prazo, idade de acabar
Nao há leis para te prender
aconteça o que acontecer.








asas
de rui reininho

























voei em ti e planei em paz de espírito que se fez no meu paraíso inventado. é assim na tua pele que abraço a língua sem provar palavra. coisa pouca a não ser cada gemido que me entra na garganta e que é prova única. desfaz_se o gosto amargo que transportei na boca tantos anos e que transformo agora em sabores quentes que se me instalam nos lábios. o cheiro não há. taparam_se_me as narinas para te receber no tacto. por cada vez que passo a mão em ti cada sentido é um todo sem sentido que se me faz.
és tu assim que te atravessas na cama e que não falo para te chegar a correr de alto a baixo. escorrega_se_me a boca por cada beijo que te marco. meu amor minha vida minha alma. meu sentir. deixa_me agora enfim que não te diga porque nada te disse e te disse tudo. tudo o que me passava pelo corpo. tudo o que te quis sempre dizer e sem dizer tu sabias que eu dizia. digo_te pois finalmente que não te quero dizer nada.

és tu que me corres no corpo inteiro. em cada poro que transpira por te dizer o quanto um dia te posso gostar. inteira eu dos pés à cabeça na nudez que é só tua sem abrigo de mãos. no acordar em madrugada quente de respirar em ar que não sufoca já no quarto da minha casa que nos serviu de testemunha no voar.

sim. a palavra agora é sim. porque não dormi enfim sozinha. não precisei de dormir . as horas do sono ganhei_as contigo por entre os braços. o sono foi sonho de dormitar contigo entrelaçada num purgatório de sonhar. na quente madrugada do meu quarto que nos serviu de testemunha sem testemunhar. comungando connosco um verbo em se amar por fim numa paixão que nos serve de silêncio sem nunca sequer se silenciar.

ficou o resto de mim. contigo. debaixo da almofada. é o que me resta. um corpo ardente até ausente. parece despenteado. silhueta permanente atravessando_se nos meus sentidos. e nos lençois presentes há um corpo sempre. ausente. há dois corpos quentes talvez invento. em cada gemido há um purgatório de silêncio presente.













e há um purgatório de silenciar em amar




































que como eu
vive a paixão com paixão
em silêncios
em amar




fotos de tommy p.

17 comentários:

Dois Rios disse...

Num estado de querer, as asas levam, trazem, afastam, aconchegam, libertam, resgatam, abanam, planam, sonham e amam.

Beijo,
Inês

gianna disse...

ivone, gosto do silêncio que vem da já inutilidade das palavras - idealizo que é dele, desse silêncio, que falas.
Bejinho

oldmirror disse...

Este texto nunca caberia no purgatório, é demasiado intenso, com demasiada pele deixada a cada letra batida. Este texto obriga à escolha imediata: Céu ou Inferno. O purgatório apresenta-se demasiado equilibrado para suster a torrente de emoções, os gritos lancinantes sussurados aqui mesmo à frente dos nossos corações.

Moon_T disse...

li demasiada embriagues de paixao para que possa comentar...
independentemente, no purgatorio, a escolha é nossa e a tua ao que parece, ja está feita.




obrigado

ivone disse...

inês
são asas senhora são asas


gianna
há de facto contextos e situações em que as palavras são inúteis. o texto refer precisamente isso. há muita maneira de dizer sem se dizer não é?
é desse silêncio que falo sim em complemento a muitos outros silêncios que se me atravessam pelo caminho.


oldmirror
"Segundo Dante, o Purgatório é um espaço intermediário entre o Paraíso e o Inferno,que se encontra na porção austral, sul, do planeta onde existe uma única ilha, Dante encontra nesta ilha uma montanha composta por círculos ascendentes, reservado àqueles que se arrependeram em vida de seus pecados e estão em processo de expiação dos mesmos. No Purgatório as almas assistem às punições das outras almas que por pecarem mais "intensamente" foram para o Inferno.


Cada dos sete círculos correspodem a um dos Sete pecados capitais, na seguinte ordem: Orgulho, Inveja, Ira, Preguiça, Gula e Luxúria.

Lá encontra Beatriz, sua amada quando estava na Terra. Esta o leva até o rio Lete. Quando Dante bebe a água do Lete, esta apaga a sua memória, seus pecados, é como se Dante tivesse renascido."


o meu purgatório trata disso mesmo. de uma ressurreição.



moon_t
"O Purgatório, segundo a Igreja Católica, não é um nível intermédio entre o Inferno e o Paraíso, mas uma última oportunidade de purificação/conversão onde as pessoas que morreram em estado de graça (isto é, já estão destinadas ao paraíso), mas ainda precisariam se preparar para ter capacidade de ver Deus face-a-face no Céu."

questiono ainda essa minha capacidade de estar face a face com deus ou não e se esse encontro me está marcado se terei vontade de o ter ou não. preciso de me preparar...
daí a minha escolha hoje é continuar ainda no purgatório. por quanto tempo? não faço a mínima ideia nem estou preocupada com isso. o que será será. depois logo se vê.

Peregrina disse...

Com bonito. Nem tenho palavras. Sinto... :)

beijinho*

Graça Pires disse...

O silêncio: "é assim na tua pele que abraço a língua sem provar palavra."
Um beijo.

diana disse...

Intenso. Muito Intenso. E com textos deste, não há mesmo palavras.

Sunshine disse...

Senti-me entrar neste teu sonho e ganhar asas...
Beijinhos com raios de Sol
P.S. A praia que aparece na foto no meu blogue fica em Ponta Delgada- Açores

Victor Oliveira Mateus disse...

O purgatório do não-dito em amor.
Dele me evado por minhas asas, por um certeiro voar... e no "Outro",
onde "cada sentido é um todo sem
sentido que se me faz", se esplende
a entrega absoluta, contudo a vastidão e a incompreensibilidade
dessa entrega, dessa fusão, traz-me
de volta ao purgatório do não-dito, da impossiblidade do dizer.
Um percurso circular nesta leitura
possível... talvez por isso, os grandes apaixonados e os místicos
acabem sempre desembocando no silêncio, essa forma de Purgatório
antes do Amor absoluto...
(Não quer dizer que esteja de acordo com tudo, só tentei dar uma
singela leitura da montagem. Outra
coisa: como li tudo o que estava
antes, fiquei a pensar quando diz
que não sabe como será qd se vir cara a cara com
Deus -continuo a não gostar da
palavra, que chatice!-... Fiquei a
pensar! E lembrei-me de Levinas, quando ele diz que Deus está estampado no rosto do Outro, sendo
assim (e contra mim falo!) estamos
sempre cara a cara com Deus... somos é desatentos!
Um abraço grande, Ivone!

ivone disse...

peregrina
precisamente isso sem palavras
basta sentir_se



graça pires
na mouche
tocaste na ferida

diana
agora imagina antes de o escrever o que me passou pela pele sem ser em suor quente e na boca aquele gosto de se dizer sem se dizer. nada. dá que pensar não é?
o grande texto foi esse. o que aqui leste é uma sombra do primeiro.



sunshine
mas não foi um sonho meu. nosso.
e asas servem para voar sim. ganham_se os céus e os infernos também.


victor oliveira mateus
"- Volve Beatriz, volve teus olhos santos - cantavam - ao teu fiel, que veio de tão longe para te ver! Revela a ele tua segunda beleza que até agora ocultaste."

tens razão. trata_se de facto de um espaço circular. aquele em que me movo. o ponto de partida é quase sempre o ponto de chegada. mas para que é que eu quero ir se não quero chegar?

pelo outro que se me atravessou à frente como alguns outros não muitos que se me têm atravessado confesso que estive desatenta.e tenho a certeza que vou continuar desatenta. e quando o último outro se me meter à frente é bem capaz de eu continuar sem atenção. como aquele fiel que veio de tão longe só para me ver e a quem eu revelei a minha segunda beleza que sempre ocultei. a de amar sem se dizer nada."o purgatório do não-dito em amor" como tu lhe chamaste.

victor
obrigada pelas tuas palavras
um grande grande bem haja!

Liliana disse...

"comungando connosco um verbo em se amar por fim numa paixão que nos serve de silêncio sem nunca sequer se silenciar."

"em cada gemido há um purgatório de silêncio presente"

e este silêncio em amar é tão belo e tão imenso...
encontrei-me nas tuas palavras, como não pensava encontrar... também me sinto assim, num purgatório de silenciar em amar...

há uns silêncios mais expressivos que outros... e os teus são divinos...

D. disse...

Hoje falamos de Asas e Silêncios.
Gostei da forma como tu falaste.

D.

Paradoxos disse...

fiquei entre uma coisa e outra - sim -as palavras - as imegens - tudo em forma de poesia!!

ha algo que me transmites que não sei explicar...

adorei!!

beijão...

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ivone, gostei do teu post...Belo silêncio em tão intenso e belo amar...
Beijo

Bill Stein Husenbar disse...

Intenso, encantador e maravilhoso.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Baraújo disse...

e sorrio...

que maior homenagem poderei fazer...

beijo terno