10.7.07

defesa do sublime


6 comentários:

Victor disse...

Querida Ivone
Muito bonito este foto-poema. As portas e as janelas têm um grande sibolismo. Entrar/Sair; Abrir/Fechar; Pela mesma janela por onde entra a luz do Sol entra também o luar. O meu sótão, este cantinho de memórias tem uma janela que abre para o telhado e que tem mesmo à sua beira alguns troncos de um pinheiro manso. Acredita que por essa janela, em noites em que a maresia chega ao interior por ela entra uma ninfa do Tejo? Uma Tágide de duas margens?
Beijinhos.

Claudia Perotti disse...

Querida Ivone,

quanto sentir em tuas palavras.
Amei sua página e não posso perdê-la de vista.

beijinhosssss

ivone disse...

amigo victor

as portas e janelas para se usufruirem têm de permanecer sempre abertas para evitar a sensação de sufoco deixar entrar o vento o sol a lua as estrelas a liberdade...
quando olho de dentro para fora se vejo o céu apetece-me abrir as asas e voar se vejo o mar desejo mergular...

bj

ivone disse...

amiga claudia

as palavras não são minhas ,uma falha, mas sim do meu poeta português preferido nuno júdice.
que bom que gostou e volte sempre!

bj

lila disse...

Á noite se tento deixar a janela aberta,em vez da lua ou das estrelas só entram melgas...o que haverá de errado? e cada vez que sonho em voar...acordo com galo na cabeça,onde está a palavra chave???bjs

ivone disse...

oi lila
isso da melgaria é impressão tua pois a melga maior és tu...
quanto ao voar já pensaste em usar capacete?

fica bem melga