25.4.08

com uma mão cheia de nada

e a outra de coisa nenhuma










com uma mão cheia de nada








































apesar das ruínas e da morte
onde sempre acabou cada ilusão
a força dos meus desejos é tão forte
que de tudo renasce a exaltação

e nunca as minhas mãos estão vazias








sophia de mello breyner






















com uma mão cheia de nada e a outra de coisa nenhuma

acho que os meus dias não passam de isso mesmo. de mãos vazias que sonham.
levanto_me já perto da tarde. tropeço pelos corredores até encontrar os estores para abrir o dia. a transparência da janela protege_me do calor que faz lá fora. teimo em manter_me fria. o pacote de leite também. já somos dois. adormece_me ainda mais o não sair. transporto_me até à mesa onde o café duplo me espera. após o primeiro cigarro do dia teimo em não querer acordar. à espera do nada ou de coisa nenhuma arrasto_me até ao sofá. acabo por optar mais uma vez em continuar a permanecer adormecida.







pior que não gostar de acordar é querer continuar adormecida.
como num desejo de sonho.

7 comentários:

Bloguemate disse...

Nunca sei o que comentar aqui, venho, leio, adoro e apetece-me dizer sempre algo que não seja apalermado como eu sou habitualmente mas cá vai, estavamos sonecas, não estavamos?

Maria José disse...

A história de um ser. O desabafo de tudo. O acordar de nada. Palavras. Sentires. Lá dentro. Lá no fundo. De tudo. Ou de nada.

S. disse...

Acorda os desejos que te enchem as mãos...é que o tempo não adormece.

un dress disse...

talvez pintar um

pássaro ~

Baraújo disse...

adoro a sophia...

adoro as imagens...

e tens razao. permanecer no adormecido... do viver... é das piores coisas... deixarmos que os outros decidam por nos. deixar a vida levar-nos... a vida...

e nao fazer nada em contrario...

beijo terno

ivone disse...

bloguemate
mas eu gosto que me digam coisas apalermadas!
experimenta da próxima vez
porque também gosto de responder com palermices só isso.

ps: e estavamos bué de sonecas sim

ivone disse...

maria josé

o acordar é terrível. não apetece nada.
mas o pior ainda é manter_me depois. assim. no nada


s.

"é que o tempo não adormece"
se pudesse levava_o para dormir comigo também...



un dress
e de que cor?



baraújo
é isso
deixar a vida levar_nos a vida

mas eu não deixo os outros decidir por mim!